CURITIBA LITERÁRIA

CURITIBA LITERÁRIA

Clique aqui para ler a reportagem do Jornal Cândido, da Biblioteca Pública do Paraná, que me incluiu na “nova safra” dos autores curitibanos. O texto é da competente Mariana Sanchez.

BATE PAPO COM FERNANDO MORAIS NA BIBLIOTECA PÚBLICA DO PARANÁ

BATE PAPO COM FERNANDO MORAIS NA BIBLIOTECA PÚBLICA DO PARANÁ

No dia 27 de março de 2012 fiz a mediação do encontro “Um escritor na biblioteca”, na Biblioteca Pública do Paraná. Fernando Morais abriu a temporada e falou para o público sobre seu processo de trabalho. Um momento engraçado foi quando ele disse que chegou a vasculhar a carteira de Paulo Coelho durante um descuido para a confecção da biografia “O mago“. Coisas da vida de biógrafo.
A transcrição do papo está no jornal Cândido.

 

LIVRO DE LUIZ ANDRIOLI SERÁ PUBLICADO PELA GRUA LIVROS

LIVRO DE LUIZ ANDRIOLI SERÁ PUBLICADO PELA GRUA LIVROS

Autores selecionados pela Grua lançam

no ano que vem

sáb, 26/11/11

por simone.magno |categoria Novidades

Os quatro autores selecionados na Temporada de Originais da Grua Livros já assinaram contrato e terão suas obras publicadas a partir de abril de 2012. São eles: Tailor Diniz (Rio Grande do Sul, romance), Tércia Montenegro (Ceará, contos), Luiz Andrioli (Paraná, contos) e Luis Roberto Amabile (São Paulo, contos). Em vez de promover um concurso, a editora optou por receber durante o mês de maio deste ano originais de autores de todo o país, compromentendo-se a ler todos os textos, e publicando os que julgasse interessantes. Dos 194 originais enviados, quatro foram selecionados. Um excelente número, levando-se em conta que geralmente concursos nacionais que têm a publicação como prêmio costumam contemplar um ou  dois autores. Vamos torcer para que a Grua mantenha a ideia no ano que vem – e que outras editoras sigam o caminho.

ENTREVISTA PARA OS ALUNOS DA ESCOLA VINHEDOS

ENTREVISTA PARA OS ALUNOS DA ESCOLA VINHEDOS

21.11.11

Entrevista com Luiz Andreoli

 
 No dia 07/11/2011 o escritor Luiz Andreoli compareceu a Escola Vinhedos, por convite da turma do 5º Ano B e de sua professora – Rosineyri, para ser entrevistado pelos estudantes e contar sobre o processo de criação literária e divulgar suas obras.
            O escritor foi muito simpático e disponível ao contar para os(as) estudantes como tornou-se um escritor de obras infantis. Ele contou que sempre gostou de ler e escrever e que desde muito pequeno gostava de dar asas a imaginação.
            Devido sua timidez, o autor também contou que preferia escrever a expor suas ideias, e sua obra “A menina do circo”, nasceu a partir de um documentário assistido por ele sobre a família Queirolo, com Luiz sendo um apaixonado pela arte circense.
            As crianças ficaram encantadas com seu relato, com o autor tendo doado suas obras para o Farol do Saber Dante Alighieri, com as obras estando sendo documentadas para tornarem-se parte do acervo da escola.
Agradecemos a disponibilidade do autor e convidamos a todos para conhecer “A menina do circo”!

(fonte: http://emvinhedos.blogspot.com.br/2011/11/entrevista-com-luiz-andreoli.html)

R. Zem Bertapelle, 55, Santa Felicidade, 82030-430, Curitiba/PR. Tel.: 3297-1832

O PRAZER DE LER: DESMONTAR E RECONTAR HISTÓRIAS

O PRAZER DE LER: DESMONTAR E RECONTAR HISTÓRIAS

Algumas vezes me perguntam o que deve ser feito para que as crianças se interessem por leitura. Não sei bem o que me responder para estes pais aflitos. Apenas devolvo a pergunta com outras do tipo: tem livros na sua casa? Já leu junto com as suas crianças? Já foram passear em uma livraria? Já mostrou para seu filho como tomar livros emprestados na biblioteca da sua cidade?

livros

Penso que todo o escritor em algum momento seja convidado a dar este tipo de conselho para adultos preocupados com a dificuldade de colocar livros em pequenas mãos mais afeitas a mouses e controles de vídeo games. Eu não sou um teórico da literatura. Embora tenha minha incursão dentro da Academia com um mestrado em Letras, acho que minha formação é mais por prazer do que por solidez de conhecimento. Com esta vivência nas pesquisas universitárias, não fiz mais do que reforçar o extremo prazer que tenho de conviver com livros, leituras, histórias contadas, lidas ou imaginadas. Se literatura é algo diferente de prazer, não me contem a resposta certa. Quero ficar com esta suposta ilusão de que um momento de recolhimento junto a um bom livro é tão prazeroso quanto um bom prato de comida… Quanto uma conversa com um amigo… Quanto um beijo em quem se ama… E por aí vai.

Ler é prazer. “E como convencer a garotada disso?”, me pergunta um pai preocupado.

Busco uma resposta sincera no meu bauzinho de memórias. Quando criança uma marca de iogurte presenteava os consumidores com ingressos para filmes dos Trapalhões. Para quem cresceu na década de 1980, era o máximo. Minha mãe sempre me levava para ver os filmes, mas colocava algumas condições, uma delas era a de aproveitar o horário do estacionamento que ela pagava para deixar o carro. É que enquanto eu ficava no cinema, ela fazia um curso em uma escola profissionalizante ao lado. E por uma ironia que só muitos anos depois eu compreenderia o benefício, o horário do estacionamento e do curso nunca batia com o início da sessão. Portanto, eu era deixado no cinema às 15h, por exemplo, sendo que o filme havia começado 14h. Mas tinha que sair as 17, exatamente no meio da próxima sessão. Então eu precisava montar o filme na minha cabeça, assistindo Os Trapalhões na Serra Pelada” ou “Os Saltimbanco Trapalhões” do meio para fim e – na próxima sessão – do começo até o meio. Aí então minha mãe me buscava na escuridão do cinema, com pressa para não pagar uma hora a mais de estacionamento. Para um garoto obediente e morador de um bairro distante, ir ao cinema durante a semana era um prazer tão grande que eu nem ousava reclamar. O que ficou de lição para mim foi a possibilidade de “desmontar” e “recontar” o filme na minha imaginação. Uma história acontece muito mais na cabeça de quem a assiste do que exatamente na tela ou nas páginas de um livro. Assistindo ao filme desta maneira não-linear, eu passava a me envolver com a história e me obrigava a recontá-la para mim mesmo, decifrando alguns códigos da criação. Eu era mais do que um espectador, assumia uma posição ativa, contava junto a história.

saltimbancostrapalhoes

Ainda criança, nesta mesma época, tenho a lembrança de ver muito jornal espalhado pela casa. Meus pais gostavam de ler as notícias do dia logo após o almoço. Então, para ter a companhia deles, minha estratégia (mesmo que inconsciente) de criança era me sentar ao lado e ler junto. Mesmo antes de ser alfabetizado, procurava os quadrinhos dos jornais e a letras grandes dos títulos para conseguir entender sobre o que eles falavam. Pouco a pouco eu ganhava um espaço maior naquela sala a partir da necessidade de integração com o ritmo familiar que a leitura me dava. E neste ponto meus pais foram muito inteligentes, já que valorizavam cada palavra que eu conseguia entender no jornal, conversando sobre o contexto do que eu estava lendo. No fim do dia era comum meu pai chegar em casa com vários gibis para a minha diversão. Algumas tardes minha mãe me levava na gibiteca de Curitiba, uma espécie de biblioteca com histórias em quadrinhos. Minha formação de leitor passou pela narrativa visual, mas não parou por aí. Do cinema para os gibis e então para os livros. Uma trajetória feliz, que lembro com muito carinho.

Penso hoje que me fiz leitor porque a leitura nunca foi uma obrigação, mas sim uma atividade tão divertida quanto qualquer outra que uma criança gosta de fazer. Nunca existiu uma separação entre o momento da leitura e a hora da brincadeira. Ambas atividades se integravam e se somavam. A criança que jogava bola na rua se recolhia para a leitura de um livro com o mesmo prazer. E tinha a possibilidade de conversar com os pais tanto sobre futebol quanto sobre o que estava lendo. E quando contava uma história, contava do seu jeito, jamais com o ferrenho e detestável hábito de se submeter a uma avaliação. Não existe nada mais execrável para a formação de um jovem leitor do que fazê-lo responder a um questionário sobre um livro que leu. Literatura é um direito do ser humano, jamais uma forma de ganhar nota na escola. Quando um professor acha que fazendo uma avaliação sobre um livro é um bom incentivo para que o jovem leia, está apenas enganando: a si próprio e ao jovem, que irá apenas –após a prova – deixar o hábito de ler empoeirando na estante.

Um leitor é antes de mais nada um contador de histórias para si próprio. Narramos as histórias para nós mesmos. E se entendemos que temos o direito de “desmontar” e “recontar” uma narrativa de acordo com as nossas vontades, ai sim entramos de vez com o coração aberto nas ricas possibilidades da literatura. Em outubro de 2009 tive a feliz oportunidade de participar com autor palestrante na Feira de Livros do SESC. Fui  convidado para dar uma palestra sobre o meu livro “A menina do Circo”. Propus que realizássemos mais do que um bate-papo, que pudéssemos fazer com que as crianças de alguma forma fossem além do que meras espectadoras. Convidei então o bom amigo Renato Perré, que há muitos anos trabalha com teatro e arte-educação. As crianças então participaram de rodas de leitura sobre o livro. Cada ator (ou o próprio autor) lia trechos da história para os pequenos. Todos debatiam a narrativa e ao final as crianças eram convidadas a desenhar os personagens da história. Pronto os desenhos, a garotada subia em um palco de teatro de bonecos para encenar o livro a partir de sua própria visão. Eu fiquei muito feliz com o resultado. Mesmo neste mundo de tecnologia a todo o custo, internet, vídeo game, shopping centers e outras pós-modernidades, vi que o hábito de contar uma história ainda cativa uma criança. Mas, é claro, esse nosso público contou junto a história, não foram apenas espectadores passivos. Tenho a certeza de que neste dia ajudamos a consolidar o hábito da leitura em dezenas de crianças. Assim como minha mãe e meu pai fizeram lá no passado, sempre me convidando a “desmontar” e “recontar” as histórias, seja no cinema, com a sessão pega pela metade; seja na sala de casa, onde eu tentava decifrar o mundo a partir dos jornais espalhados pelo chão. Ler não deve ser uma obrigação. Ler é conquistar o direito de decifrar o mundo, direito de todos.

Luiz Andrioli

*Abaixo uma reportagem de Walrides Brevelhieri Jr. Sobre o dia da palestra lá no SESC em Curitiba.


ENTREVISTA NA BIENAL DO LIVRO DE CURITIBA

Clique na imagem abaixo (no nariz do palhaço!) para ver a reportagem que Lara  Mota fez com Luiz Andrioli para o Paraná no Ar, RICTV, o Seu Canal Record no Paraná.

ALGO MAIS SOBRE O PARQUE ALVORADA

ALGO MAIS SOBRE O PARQUE ALVORADA

        PALHAÇO E TREM FANTASMA.JPG

Foi em um domingo chuvoso que vi os últimos suspiros deste amigo. Corri para casa e peguei a máquina fotográfica para registrar seus últimos momentos. Cada clique era uma palavra trocada. Dividi as impressões na web e já no dia seguinte percebi que muitos outros queriam dar adeus ao velho Parque Alvorada. Jornalisticamente, alguém poderia dizer que tomei furo. Vários outros colegas de imprensa fizeram matérias sobre o fim do Parque, o que eu achei ótimo. Não prego a manutenção da tradição, longe de mim. Mas quando algo se esvai diante do crescimento de uma cidade, acho que ao menos devemos ter o direito de falar sobre isso. Relembrar. Contar para os que não sabem. Chorar. Falar. É o sagrado direito do luto.  Chorar a morte, isso faz bem. Fizemos juntos, falamos do Parque como se fala de alguém que morre, conversas esparsas pelos corredores do velório para tentar entender o enigma de uma vida que se encerra. Quase uma semana depois, último repórter a retratar o fato que já acabou, pego o microfone na mão e conto minha história. Desta vez, conto com palavras e as imagens do bom amigo e cinegrafista Nilson Machado. Sim, tínhamos em mente que chegamos depois de todo mundo. Foi bom assim. Chegamos com o espírito preparado, sabendo que o falecido cumpriu sua jornada por aqui e merece para sempre ser lembrado. Meu olhar fotográfico de uma semana antes foi incrivelmente parecido com o olhar do Nilson. Talvez seja uma prova de nossa sintonia, afinal trabalhamos juntos há alguns anos. Talvez fruto de nossa idade semelhante, penso que ele guarde também uma caixinha de lembranças de sua infância brincando no Parque, assim como eu o faço. Temos o direito de chorar por nossos mortos. 

[youtube height=”HEIGHT” width=”WIDTH”]PLACE_LINK_HERE[/youtube]
http://www.youtube.com/watch?v=Z9HEAvbE9eM

Reportagem exibida no dia 14 de novembro de 2008 no Jornal RIC Notícias 2ª edição. Reportagem de Luiz Andrioli, imagens de Nilson Machado, edição de Raphael Laffranchi e edição de imagens de Leda Lima. 

   

HOLOFOTE: LUIZ ANDRIOLI

HOLOFOTE: LUIZ ANDRIOLI

Ontem foi a vez do jornalista Luiz Andriolli sentar no banquinho do Holofote. Entrevistado por Talita Bridum, o grande apresentador da Record falou sobre seu livro “O circo e a cidade: histórias do grupo circense Queirolo em Curitiba” e contou como é sua rotina como repórter e âncora de jornal.

para continuar lendo, clique aqui.

REVISTA IDEIAS DESTACA “O CIRCO E A CIDADE”

Fábio Campana

Política, cultura e o poder por trás dos panos.

O Circo e a Cidade

capa_queirolo.jpg

A família Queirolo virou livro. O escritor e jornalista Luiz Andrioli reuniu histórias do grupo circense mais famoso do Paraná e escreveu “O Circo e a Cidade”. O texto não conta apenas a história da família entre 1940 e 1970, mas também busca entender como o imaginário curitibano via os Queirolo e ilustrá-lo através de dezenas de fotos de acervos públicos e particulares colhidas pelo autor e pelo jornalista Adriano Justino, que contribuiu para a edição e para a pesquisa do projeto.

Desde a década de 40, a família faz parte do imaginário infantil. Os Queirolo chegaram em Curitiba em 1942 para a inauguração do Pavilhão Carlos Gomes, o principal centro de diversão da época. Uma das apresentações que o público mais gostava eram as piadas dos “Reis da Galhofa”, a dupla Harris e Chic-Chic, interpretados pelos irmãos Julian e Otelo. Chic-chic chegava sempre acompanhado da cachorrinha de pano e declamando o famoso bordão: “Violeta, pula!”.

A família também trabalhou no luxuoso Cassino Ahú, onde encenavam os números acrobáticos dos “Cinco Diabos Brancos”. Em 1960, com o surgimento da TV em Curitiba, os Queirolo fizeram suas primeiras experiências no veículo, em programas como “Fiorela”, “Cirquinho Canal 6”, “Cirquinho do Chic-chic” e “Clube do Capitão Furacão”.

Quando a arte circense entrou em declínio, no final de 1970, a prefeitura tentou ajudar o grupo doando um circo novo, mas não deu certo. Eles devolveram a lona depois de chegar à conclusão de que os tempos haviam mudado. Hoje, os integrantes da quarta e da quinta gerações ainda tentam manter a tradição em alguns espetáculos e serviços culturais.

O projeto foi premiado pela Fundação Cultural de Curitiba em 2006 através do edital “Identificação e Registro do Patrimônio Imaterial”, uma iniciativa para valorizar a preservação da cultura da cidade. O livro faz parte da coleção “A Capital” e acaba de ser reeditado.

Segunda-feira, 28 de Janeiro de 2008 – 15:06 hsDeixe um comentário.
fonte: http://www.fabiocampana.com.br/2008/01/o-circo-e-a-cidade/